sexta-feira, 18 de junho de 2010

Arte e Adoração

"A arte ajuda a adoração, mas não pode substitui-la."


Hoje pela manhã eu estava lendo o "Pão Diário" e recebi uma palavra que tem tudo a ver com o nosso blog e com o nosso trabalho, por isso vou postar algumas coisas muito importantes aqui, para compartilhar com meus irmãos e irmãs que trabalham com a arte na igreja, seja ela qual for.

Nós sempre queremos fazer o melhor. Claro, para Deus, esse melhor tem que ser o nosso melhor mesmo, pois Deus não quer que lhe entreguemos os restos de nossa adoração, mas as primícias dela. Deus se agradou da oferta de Abel porque ele lhe ofertou das primícias de sua produção, enquanto que Caim deu a Deus uma boa oferta, segundo seus olhos, mas não eram as primícias.

Quando Moisés construiu o tabernáculo, ele convocou todas as tribos a ofertarem o que tinham de melhor, e convocou os ARTISTAS para fazerem obras de PRIMEIRA QUALIDADE. Quando Salomão construiu o templo, foi um templo magnífico, pois foi dedicado ao Senhor.

A tribo de Levi era responsável pelo louvor e pela liturgia no templo, bem como seu cuidado. Era uma tribo separada para isso, eles eram profissionais naquilo que faziam.

Então, sabemos que Deus quer o melhor.

Mas não podemos dissociar a obra artística da adoração genuína, quando estamos falando de entregar algo a Deus. Deus conhece nossos corações. Não adianta você ser um ótimo cantor e um compositor famoso, e querer, por exemplo, escrever canções para Deus, talvez para ganhar dinheiro ou ficar famoso ou algo assim, pois Deus conhece o coração. Ou mesmo dançar com a técnica dos russos, estudando nas melhores escolas de balé, ou ter a melhor condição física para dançar. A técnica de nada adianta se você não tiver a inspiração divina, o comprometimento, a consagração de sua alma a Ele.

A adoração começa na alma, um coração rendido ao Senhor que quer se expressar. Ela não depende da qualidade artística, do conhecimento e de ensaios, mas da qualidade da vida do adorador. A técnica pode ser avaliada pelos homens, mas o coração só pode ser avaliado por Deus. E se Deus não recebe sua adoração, de que adiantou tanta técnica? Para contentar e alegrar as pessoas?

A arte dedicada a Deus não deve, DE MANEIRA NENHUMA, SER FEITA COM NEGLIGÊNCIA. A Palavra do Senhor diz, em Jeremias 48:10: "Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente." Trabalhar na igreja é coisa séria. Devemos, sim, buscar a técnica e o esmero, para fazer com zelo e da melhor forma a obra do Senhor. Mas não devemos nos esquecer que fazer o melhor para Deus inclui nossa alma e nosso espírito dedicados ao Senhor. Devemos estar sempre buscando uma comunhão com Deus. E como teremos comunhão com quem mal conversamos, com quem mal falamos, a quem mal conhecemos?

Buscar a Deus, orar, ler Sua Palavra, e silenciar para ouvir Sua voz. É tudo o que temos que fazer, sempre, diariamente, o tempo inteiro. "Orai sem cessar". De vez em quando, jejuar. Louvar sempre ao Senhor. Em tudo dar graças. Ler Sua Palavra e buscar mais dEle para nossas vidas. O servo do Senhor que trabalha com a arte na igreja tem que ser irrepreensível, tem que buscar a face de Deus. Não tem que ser perfeito, pois perfeito somente o Senhor, e todos nós somos pecadores injustificáveis. Mas Deus, por meio do sangue de Seu filho Jesus Cristo, nos redime, e nos lava, nos deixa com o coração puro para adorá-lo.

Então, ADORE-O! LOUVE-O! De coração e alma, com seu corpo, com sua voz, com sua mente, com sua arte. Mas que seja uma adoração genuína. Do contrário...

"E, ainda que me ofereçais holocaustos, e ofertas de manjares, não me agradarei delas: nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais gordos. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos, porque não ouvirei as melodias dos teus instrumentos." (Amós 5: 22 e 23).




Nenhum comentário:

Postar um comentário